Dia-a-dia, Saúde

Loucura: sem explicação, mas com tratamento

Atirador invade escola primária e mata 26 nos Estados Unidos

No Uruguai, jovem dispara contra hospital ao tentar copiar atirador de escola dos EUA

http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2012/12/atirador-invade-escola-primaria-e-mata-26-nos-estados-unidos.html

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/12/17/no-uruguai-jovem-dispara-contra-hospital-ao-tentar-copiar-atirador-de-escola-dos-eua.htm

É quase impossível negar que se qualquer um de nós tivesse uma arma em casa teria vontade de usar. Ela atrai de uma forma tão meiga, como uma mulher atrai um homem, e tão forte, como o pólo positivo do imã atrai o negativo. As armas tem desejo de explodir e nossas mãos coçariam com uma vontade de usar.
Nos EUA, existem cerca de 300 milhões de armas em casas de família. E agora e como depois de todas as outras vezes que aconteceu um massacre por lá vem as pessoas dizendo que os assassinos eram boas pessoas, jovens normais etc. E além disso se perguntam, por quê ele fez isso. A resposta está na cara. Loucura não tem explicação. Não tem explicação para o holocausto dos judeus, qual a explicação do milhões de mortos na China, União Soviética, Coréia do Norte e muitos outros. O mais óbvio motivo para acontecer isso é que estão deixando as armas a disposição dos loucos. E o pior, lá quem é contra o uso das armas é escorraçado do poder. Então a verdade que esses assassinatos brutais são quase que garantidos pela constituição e pelo interesse econômico e político em ter um poder bélico a sua disposição.
Agora temos que olhar o lado da saúde, que lá, ninguém foi capaz de identificar que o jovem atirador tinha problemas mentais graves e que um dia podia romper com os princípios legais da sociedade. E isso serve de alerta para nosso país. Tivemos avanços consideráveis na questão da saúde mental, mas ainda temos muito que evoluir. A principal vitória foi o fim dos manicômios estilo lixões que existiam aqui, onde as pessoas eram jogadas lá realmente como um lixo, e sofriam um tratamento desumano. Mas ainda existe o problema da falta de espaço do serviço adequado. Se uma pessoa com doença mental precisa de internação ela conseguirá uma vaga, pois não existe uma estrutura para tratamento. O atendimento ambulatorial é importante, mas sozinho não resolve o problema. Nossos governantes precisam levar mais a sério esse problema de saúde mental, pois existe um número crescente de doentes, muito por conta do uso das drogas. As crianças podem ter problemas mentais sim, e é uma possibilidade que os pais devem levar em conta. O tratamento e principalmente o diagnóstico precoce do problema são as chaves para evitar tragédias como a que aconteceu nos EUA aqui em nosso país.