Mídia, Música

Os piores programas, as melhores surpresas

“SuperStar” perde para o “Programa Silvio Santos” pela 4ª vez consecutiva

FONTE: http://www.tribunadabahia.com.br/2014/05/26/superstar-perde-para-programa-silvio-santos-pela-4a-vez-consecutiva


 

Fraco. Essa é a palavra que define o programa “SuperStar” da Globo. A emissora carioca arriscou em trazer um programa israelense sem poder fazer uma edição nele. Estão nítidas as escolhas erradas de reality shows. O Big Brother Brasil vem perdendo audiência gradativamente a cada ano. Os duelos de bandas ou solos foram febre na década passada. American Idol já tem 13 anos na Fox e a emissora já pensa seriamente em não fazer mais uma edição, depois da frustrante audiência na final da 13ª edição do reality. O público lá saturou do programa, a mesma coisa aconteceu com The Voice USA.

Aqui no Brasil, a própria Globo abriu esse mercado com o Fama em 2002, que surpreendeu o público e levantou a audiência da emissora. SBT e Record também tentaram ao longo dos últimos anos programas de mesmo formato. Em 2012 a maior emissora do Brasil mostrou para o público nacional as cadeiras giratórias do The Voice Brasil, que pode-se dizer que emplacou, mas não explodiu como havia sido imaginado.

A chegada do “SuperStar” já assusta, pois a emissora já tem um reality show musical. Alguns afirmam que é para não dar privilégio no duelo das baianas Claudia Leitte e Ivete Sangalo; outros dizem que é para aproveitar o sucesso que a Fernanda Lima está fazendo no cenário mundial; por fim, só para dar uma ocupação para o André Marques. Mas a realidade é que o programa não emplacou e não consegue vencer os aviõezinhos do Silvio Santos. Não por causa das bandas, mas pela saturação do formato. Mesmo tentando atrair o público utilizando aplicativo de smartphone (que não funciona direito), trazendo bandas de vários públicos distintos e já com um sucesso regional, não se consegue encontrar um ímã que atraia. Sem contar a forçação de barra com a Fernanda Paes Leme, que não está sendo nem um pouco simpática.

Mas nem tudo são espinhos…

Acompanhei algumas etapas do programa enquanto aguardava o The Ultimate Fighter 3. E reconheço que existem bandas muito boas no programa. Muita gente talentosa. Luan com seu forró realmente animou a todos (ainda espero ver uma música autoral), Move Over com a ruiva que canta uma barbaridade, o reggae do Macucos.

Mas a banda com mais talento e a que vai vencer o reality é a banda Malta. Desde a primeira apresentação com músicas próprias, com letras maravilhosas, além da pegada de rock sensacional. Com um estilo que me lembrou o Nickelback, muito graças ao vocalista Bruno Boncini, me fazem arrepiar a cada vez que ouço as quatro músicas que encontro deles na internet. Não sentia isso com uma banda nacional desde que escutei Scarcéus pela primeira vez.

Tenho medo de que com esse título e a assinatura do contrato com a Som Livre, eles sejam moldados ao estilo que a gravadora quer e com isso percam essa pegada que faz todo mundo ficar de boca aberta. Lembro dos garotos do UDORA que assinaram com a gravadora e fizeram um disco muito fraco e diferente dos anteriores de quando eram independentes.

Esse estilo “bruto romântico” não me surpreende, só me emociona. Já estou ansioso para no próximo domingo ver mais uma música inédita e muito boa desta banda que já tem uma super estrela dentro de si.