Religião

O que Ele sempre quis ver

Na Terra Santa, só o heavy metal salva

Enquanto os líderes israelenses e palestinos não mostram nenhuma disposição em superar suas divergências, um grupo de heavy metal tem conseguido transpor as fronteiras impostas pelo ódio para encontrar pontos em comum entre povos que os radicais teimam em ver como inimigos.

REPORTAGEM COMPLETA: http://blogs.estadao.com.br/marcos-guterman/na-terra-santa-so-o-heavy-metal-salva/

É uma forma de transformar. Poucos iriam dizer que o heavy metal, que falam que é o “ritmo do capeta”, que é um monte de homem cabeludo assustadores fazendo “barulho”, unindo o que parecia ser impossível! Talvez seja momentâneo, que depois de duas horas de show eles voltem a se achar diferentes e assim se confrontrar. Mas o momento que eles ficaram juntos foi único e concerteza eles vão querer mais. Acredito que Deus não queira essas diferenças,  e nem ele entenda o por quê elas acabam acontecendo. A música nos leva a um viajar,  nos leva a um mundo completamente especial, onde não existe diferença, onde somos todos iguais quando sentimos a mesma sensação boa quando as ondas entram por nossos tímpanos. Uma das soluções mais simples e nenhum de nossos comandantes percebem.
“É quase impossível esquecer o menor abandonado ,nossas dívidas ,o racismo,as guerras… Mas graças à Deus, existe sempre a música” Renato Russo.